3/21/2018

Por que Marielle incomodava tanto?

/var/folders/kh/9yq1vkj94l54synwmdnhvyfc0000gn/T/com.microsoft.Word/WebArchiveCopyPasteTempFiles/ex-policial-militar-nega-participacao-na-morte-de-marielle-credito-reproducao-cp-17052018071435329.jpeg


Façamos um breve exercício. Abra agora o Google e digite os termos jovem é morto por pm, exatamente nesta ordem. Aparecerão algumas notícias que, provavelmente, são as mesmas que tenho em frente a mim enquanto escrevo esse texto.
A primeira tem como título “Jovem é morto pela PM com quatro tiros nas costas” e conta a história de Ítalo Silva Gonzaga, que foi morto pela Polícia após sua moto se chocar contra uma viatura. Ítalo tinha 18 anos e era entregador de pizza. Negro.
Na notícia seguinte temos um jovem que saiu para comprar bolacha e foi morto pela polícia militar. Luan Gabriel tinha 14 anos e era branco. A notícia se intitula “Corpo de jovem morto em abordagem da PM em Santo André é enterrado”.


Terceira notícia: “Jovem morto por tiro de PM disparado por engano estava em seu primeiro dia de trabalho”. Luis Guilherme dos Santos, jovem negro de 18 anos, foi morto em uma abordagem policial feita ao caminhão em que trabalhava com entregas e deixou sua mochila cair, o que levou o policial a efetuar disparos.
Por último, temos a notícia “’Por que o senhor atirou em mim?’: a voz dos jovens inocentes mortos pela pm”. Dentre as muitas histórias ilustradas nessa notícia, temos Herinaldo Vinícius de Santana, jovem negro de 11 anos que brincava com seus amigos e foi morto pela PM. Essa notícia faz referência, ainda, a uma página no Facebook que vale a pena visitar: As últimas palavras de jovens negros.

Reparou que de quatro notícias, três fazem referência a jovens negros mortos pela polícia? E que esses três jovens tem em comum, além do fato de serem negros, o fato de serem pobres e terem sido mortos por uma ação precipitada da polícia que julgou que fossem bandidos? Por que isso acontece? Quantas pessoas você conhece que, ao verem um adolescente negro virem em sua direção, atravessam a rua?  Por mais que as pessoas tentem suavizar esse conceito, ele tem um nome: racismo. A pele negra é associada a assaltos, crimes, bandidismo. E era contra isso que Marielle lutava. Isso quer dizer que ela defendia bandidos? Não. Quer dizer que ela defendia o direito das pessoas negras, subjugadas pela sociedade.

Façamos outro exercício. Imagine que seja descoberto um helicóptero de 450kg de cocaína e este esteja ligado à família de algum traficante famoso. Qual seria a reação popular? “Bandidos, prendam todos, tem que morrer!”, certo? Então me explique porque quando a mesma situação estava ligada à família de um senador mineiro, e quando essa mesma aeronave parou para abastecer na fazenda de Aécio Neves, tal alarde não foi feito e hoje, depois de três anos, ninguém foi preso?

Penúltimo exemplo: imagine você, pai de família, trabalhando em uma empresa. Como sua colega de trabalho, uma mulher, mãe de família. Vocês fazem exatamente o mesmo trabalho, entregam os mesmos relatórios, respondem às mesmas pessoas. No entanto, o salário dela é 10% maior do que o seu. A justificativa? Ela é mulher. Revoltante, não?  Pois isso é o que acontece com mulheres não só no Brasil, mas em todo o mundo. Agora imagine você, pai de família, voltando para casa a noite. Você vira em uma esquina e é assaltado. O que passará pela sua cabeça? Provavelmente coisas como “bandidos malditos!”, certo? Você já parou para pensar se você, de alguma forma, facilitou a vida do bandido, talvez mostrando que tem dinheiro através de suas roupas chiques, ou deixando a ponta da carteira a mostra? Ou será que isso não tem nada a ver, e que o que é seu não deveria ser tomado?  Acredito que a segunda opção, certo? Então por que quando uma mulher denuncia um estupro a reação é essa? Por que as roupas que ela usa deveriam influenciar em uma ação que é culpa exclusiva de terceiros? 

Último exemplo, prometo. Imagine que você é verde. Sim, sua cor de pele é verde e, embora você veja outras pessoas verdes andando na rua, você não as vê na TV ou tomando as decisões do seu país. Todos ali são rosas, e algumas dessas pessoas rosas praticam violências contra as pessoas verdes, única e exclusivamente por serem verdes. Aí, um belo dia, uma pessoa verde é eleita e passará a tomar decisões também. Assim que começa a exercer seu mandato, essa pessoa verde passa a apontar os erros das pessoas rosas e defender um mundo em que verdes e rosas sejam iguais. No entanto, isso significa diminuir os privilégios das pessoas rosas. Veja bem: não retira-los, mas diminuí-los e repassá-los às pessoas verdes. O que as pessoas rosas fazem? Matam essa representante das pessoas verdes, para que ela não possa mais ameaçá-los.

Será que agora fica mais fácil de entender para quem e por quem Marielle lutava, quais eram suas causas e sua importância na política? Entende por que queriam ela morta e por que ela incomodava? Incomoda uma pessoa que aponta para outros seus privilégios e demonstra aquilo que eles não querem que seja demonstrado. E é por isso que ela foi morta. Por incomodar.


SHARE:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Carol Candido. All rights reserved.
Blogger Templates by pipdig