2/07/2012

E começa o intercâmbio em Genova.


Aeroporto de Guarulhos, duas famílias inteiras reunidas para se despedir de mim e do Vi. Em meio a lágrimas e a saudade que já começava a bater, partimos para o balcão a fim de fazer o check-in. O peso da minha mala excedeu, e então a saudade deu lugar ao desespero quando tivemos que abrir ambas as malas para ver o que poderíamos retirar e o que poderíamos passar para a outra mala grande ou uma das mochilas para poder atingir o peso certo. 
A companhia aérea com que viajamos é a Lufhtansa, e nela é permitido levar uma mala de 32kg e uma mala de mão. Aperta daqui, aperta dali, tira um pacote de feijão, desiste de levar um par de sapatos e pronto, tudo certo e malas despachadas.
Despedida, choros, abraços, beijos, conselhos e um aperto no coração enorme em falar ‘até daqui alguns meses’. Então, eu e o Vi embarcamos para o nosso vôo no dia 05/02/2012, às 17h30 do horário de Brasília, com escala em Munique e destino final Genova. Foi um vôo tranquilo, obviamente com algumas turbulências; me sentia empolgada enquanto ainda era dia, já que conseguia ver a paisagem, mas então a noite caiu e o tédio começou a chegar. A sorte é que o entretenimento de bordo é excelente e havia uma enorme variedade de filmes e séries para assistir. No entanto, eu acabei dormindo e não assisti nada.
Não sei dizer que horas, mas imagino que umas 20h do horário brasileiro (lembro de ter olhado no celular, que ainda estava no horário brasileiro) nos serviram o jantar, que consistia em carne, batatas e alguns outros legumes. Soa simples, mas estava muito gostoso. O café da manhã, no entanto, já não foi tão gostoso, com salsichas e ovos e outras coisas que os alemães costumam consumir no desjejum. Ao menos, tinha pão e Danone. A tripulação era bem simpática e sorridente, toda alemã.
Alpes

Estava amanhecendo quando começamos a sobrevoar os Alpes, e ali meu coração apertou forte de emoção. Era uma das vistas mais bonitas, com as montanhas cobertas de neve parecendo suspiros gigantes.
Quando chegamos em Munique, o aeromoço avisou para nos agasalharmos bem porque lá fora estava -17º. Coloquei três blusas e o casacão, mas mesmo assim, na hora que saí do avião, senti instantaneamente um vento geladíssimo, e como só estava com uma calça, o frio subiu todo pelas minhas pernas. Mas quando entramos no aeroporto já sentimos calor, por causa do ótimo sistema de aquecimento. Andando do avião para o local do próximo vôo vimos, pelo vidro, a parte de fora coberta de neve, mas ainda não pudemos tocá-la.
            O aeroporto de Munique é lindo, e devo dizer que quando chegamos lá, tive mais certeza do que vim fazer aqui: ficamos maravilhados com a organização. Fomos seguindo as placas para poder pegar o vôo para Genova, que sairia pouco tempo depois. Passamos pela fiscalização, e havia uma fila gigantesca para passar pelos detectores de metais. Tem que tirar casaco, tirar computador da mala, celular e moedas do bolso. Embora tivesse muita gente ali para ser fiscalizado, o silêncio imperava. 
Quando finalmente sentamos, ficamos observando as pessoas que passavam. Os alemães são muito bem-vestidos, sérios e bem altos. Me senti mais nanica do que nunca vendo homens e mulheres enormes passando para lá e para cá com seus casacões e malas pequeninas.
Pegamos o ônibus até o avião, e de novo veio aquele frio enorme. O avião que nos levou para Genova era uma boa definição de ‘ônibus com asas’. A tripulação era formada por duas italianas, e ao ouvi-las falar o idioma, a sensação de que estava indo para meu intercâmbio bateu ainda mais forte dentro de mim.
Em Genova, estava -2º, mas a proximidade com o mar e os fortes ventos fizeram parecer que estava mais frio. Pegamos um táxi, e o taxista era bem simpático. Elogiou muito o italiano do Vi, que foi quem mais conversou com ele. Eu fiquei quieta, observando a paisagem e pensando.
Nosso hostel é uma gracinha, mas é num lugar meio perigoso, de acordo com o taxista. E de fato deve ser, porque é do lado do porto. O italiano genovês é bem fácil de se entender, é claro, gostei muito e fiquei feliz porque, apesar de ter dificuldade de falar, entendi tudo o que todo mundo disse.
Após colocar as coisas no quarto e descobrir que, infelizmente, não tem wi-fi no nosso hostel, e sim só um notebook com internet para quem quiser usar, fomos dar nosso primeiro passeio.
Saí sem luvas e tive que comprar no meio do caminho, por 2 euros, porque sinto muito frio nas mãos e estava sentindo que em breve elas virariam duas pedrinhas de gelo. Fomos perto do pier e vimos muitos, muitos barcos, além de uma pista de patinação de gelo. 
A cidade é bem antiga, com prédios antigos e bem bonitos, ruas estreitas. Gostei muito. A cidade tem bastante pichações de protesto em relação à atua crise que assola tanto a Itália quanto Grécia e Portugal.



O frio é tanto que a água congelou nos canos, deixando metade da cidade sem fornecimento.A moça da recepção do hostel disse que faz 10 anos que não faz tanto frio, e fiquei feliz, afinal essa é exatamente uma das experiências que eu gostaria de viver em um intercâmbio.

Voltamos pro hostel, mas antes paramos no mercadinho do lado, compramos um vinho e uma pringles, e tudo deu uns 8 euros! Cochilamos a tarde toda e acordamos pra janta. Uma delícia! Primeiro o macarrão, troffie al pesto, que descobrimos ser um dos pratos mais típicos da Liguria, região da Itália em que Genova se localiza. Depois, uma carne bem macia ao pomodoro, vagem, batatas. O cozinheiro é bem simpático e veio nos perguntar sobre o cardápio de amanhã, mas já vi que vou sofrer aqui, porque os italianos comem muito! 
Meu coração está dividido entre a felicidade e a saudade, mas é excitante saber que estamos no caminho certo e pensar em tudo que iremos viver e aprender aqui. A melhor dica que eu posso dar para quem vai começar um intercâmbio é seguir o cronograma dos Alcóolicos Anônimos e viver dia após dia. Aproveite para saborear cada momento, cada experiência, cada encontro, e guardar tudo em sua memória.


Onde comemos: Mini Hotel Genova (site aqui)

Minha opinião:  bom hotel, bem localizado e com preço acessível. O café-da-manhã está incluso e o hotel oferece janta a preços acessíveis. Não tem wi-fi. Recebe dois sorrisinhos Emoticon smile.svgEmoticon smile.svg









SHARE:

2 comentários

  1. Fico feliz que estejam bem caroletras! aproveite cada nova e diferente sensação....vai dar tudo certo, tenho certeza! Vcs dois, como pessoas boas e inteligentes que são, n tem como dar errado... N deixe a preguiça te impedir de escrever! Estarei acompanhando e torcendo muito...bjobjo, se cuidem!
    Lilaum

    ResponderExcluir
  2. Nossa que relato mais bem detalhado, completo, sensível! Como vc, Carol. Boa sorte na busca de um ap novo, que belo jeito de sair de casa, não? :) Nós torcemos muito por vocês e tenho certeza que ainda vão ser fonte de força minha pra sair de casa tbm, e se jogar, seja no frio ou não, em outro lugar... Lindos!! Beijos (Gabi Dias)

    ResponderExcluir

© Carol Candido. All rights reserved.
Blogger Templates by pipdig