2/21/2008

O medo de amar é o medo de ser feliz.



Sabemos que nem tudo é um mar de flores e que nem todo dia de nossas vidas acordaremos dispostos a distribuir alegria e sorrisos. E, mesmo nos dias em que tudo parece beirar à perfeição, é possível que nosso humor seja alterado por um simples pensamento, desejo ou saudade. Ou pelo medo de amar.
E eu sei o que você está pensando: medo de amar? O que eu mais quero é ter alguém ao meu lado. Mas uma coisa é dizer isso, outra é de fato agir para que isso aconteça. Não estou dizendo que a culpa de você estar sozinho seja sua, mas você já parou pra pensar que talvez, mesmo sem querer, você esteja repelindo as pessoas? 
Esse tipo de pensamento gera a tristeza e a incerteza. É como se elevássemos tudo a uma potência negativa (com o perdão da analogia matemática feita por uma pessoa de Letras).  A verdade é que é normal nos sentirmos sozinhos de vez em quando. Essa é uma solidão diferente, aquela que se tem quando se está em meio a um milhão de pessoas e se sente a falta de alguém, mesmo sem saber quem ao certo é esse alguém. Aquela necessidade de um abraço especial, de um beijo, de um sorriso ou de um momento que nos faça ter vontade de parar o relógio para poder vivê-lo mais intensamente.
Talvez a pessoa que você procura esteja bem ao seu lado, mas você não consegue enxerga-la porque teima em olhar para a frente, prefere sentar no sofá e assistir comédias românticas em vez de ser estrela do seu próprio filme. Então, você inventa mil teorias, cria romances inteiros em seus devaneios e, enquanto isso, a vida passa e você fica sozinho, olhando apenas para dentro e esquecendo de abrir os olhos e olhar para o lado. 
É claro que olhar para dentro é muito importante, porque afinal temos que nos conhecer muito bem e nos amarmos em primeiro lugar. Mas você já parou pra pensar nas oportunidades que pode estar perdendo enquanto insiste em criar devaneios em vez de viver a vida e encara-la de frente? Em vez disso, fica à procura daquela pessoa dos seus sonhos que você talvez nunca achará, pelo simples fato de que para achar é preciso procurar. E não adianta sonhar com príncipes e princesas de desenhos da Disney, porque eles estão em extinção a mais tempo que ursos polares...
E nem me venha com essa história de que falta gente interessante no mercado. O que falta é romance, o que falta é coragem de se arriscar. O fato é que muitas vezes perdemos oportunidades pelo medo de tentar, pelo medo de ser rejeitado. É o medo. O medo? "O medo de amar é o medo de ser feliz." Por isso ame sem medo. Ame a você mesmo, ame tudo ao seu redor. E arrisque-se, às vezes vale a pena. Como diz a comunidade no Orkut, enquanto não achar sua metade da laranja, procure sua metade do limão...e seja feliz (e, quem sabe, até faça algumas caipirinhas se você tiver idade para isso). Mais cedo ou mais tarde você vai encontrar quem procura.


SHARE:

2 comentários

  1. Eu nem preciso falar que eu te entendo.
    Que nós nos entendemos.
    Que eu precisava ler isso!
    Que você escreve coisas maravilhosas!

    Te aamo Carol!

    ResponderExcluir
  2. Pois é, sempre tive mto me fazer triste por imaginar que os momentos bons poderiam um dia acabar.

    Em um dos meus pensamentos eu já havia escrito algo parecido com o seu texto de hoje:
    'Corremos contra daquilo que nos faz feliz com medo de que um dia isso possa nos fazer sofrer...'

    pufs, que besteira isso, afinal, a felicidadde como vc citou está ao nosso lado, basta sabermos enxergá-la e não só viver naquele mundinho cheio de sonhos e planos com o seu principe que nunca chegará.
    esses não existem...
    existem aqueles que nos fazem feliz, mas que tem sua personalidade e seu modo de pensar diferente do teu.
    temos que aprender a lidar-nos com todos os tipos de pessoas, só assim o nosso sapo tenha um pouco de principe..

    Beijão Anna!

    ResponderExcluir

© Carol Candido. All rights reserved.
Blogger Templates by pipdig